Loader
Dona Zélia: 80 anos de muita história e garra

Dona Zélia: 80 anos de muita história e garra

Dona Zélia Andrade Bulhões, ou Dona Xêro para muitos, é um desses grandes exemplos de perseverança, força e, sobretudo, empreendedorismo, nos quais devemos nos espelhar. Nascida no ano de 1937, na Fazenda Itinga, casou-se aos 16 anos na cidade de Nova Canaã, onde teve quatro filhos entre os anos de 1954 e 1958 (Vladimir, Ronaldo, Tea Lúcia e Mozart). Aos 23 anos se divorciou do marido e voltou para a casa dos pais com os filhos, na cidade de Iaçu. Com 4 filhos pequenos para dar sustento, ali teria início a sua vida de empreendedora, onde foi professora de Arte Culinária. No ano de 1963, decidiu, junto com seus pais e irmãos, vir morar na cidade de Vitória da Conquista, pois as oportunidades seriam maiores e a educação dos filhos teria uma qualidade muito superior. 

Com a família instalada em Conquista, surgiu a oportunidade para seu irmão, João Neto, gerenciar a companhia frigorífica Expresso Rio-São Paulo, que estava abrindo uma filial na região. Foi então que D. Zélia assumiu a sub-gerência da empresa, cuidando da parte de escritório, já que tinha prática com o curso de datilografia. Com a saída de seu irmão da empresa, assumiu a gerência, se tornando a primeira mulher a assumir um cargo de gerente em uma grande empresa transportadora em todo o Brasil. 

Com o fechamento da empresa em todo o Norte e Nordeste, D. Zélia, foi contratada pela Transportadora Vito, que fazia o transporte de cargas da Magnesita para todo o Brasil, para ser gerente na cidade de Vitória da Conquista. Com esse trabalho, conseguiu construir uma casa para criar os filhos com mais conforto. Com a saída da empresa, viu-se desempregada e com quatro filhos para sustentar. Foi então que resolveu mais uma vez empreender.

Dona Zélia passou a comercializar Cintos de Segurança Veicular, que não eram obrigatórios na época e tão pouco vinham nos carros como item de fábrica – aproveitando a oportunidade de uma lei que acabara de ser aprovada sobre a obrigatoriedade do item nos veículos. De porta em porta, comercializou não só cintos de segurança, como diversos produtos que ia buscar em São Paulo, trabalhando por um tempo como sacoleira. Nas idas e vindas de São Paulo, comercializou também ferro velho, buscando em cidades pequenas aqui na Bahia o material e vendendo em Volta Redonda. Onde houvesse uma oportunidade para empreender e ganhar dinheiro, D. Xêro estava disposta a ir atrás – chegou a criar dois mil pintos no fundo de casa pois falaram que era o que estava dando dinheiro na época. Trabalhou ainda nas transportadoras Trasmine, Interbrasil e fundou a sua própria transportadora, a Transfernandes, que viria a ser vendida em seguida. Além do trabalho, Dona Zélia ainda se preocupou muito com o próximo, tendo um lado voltado para o social e a ajuda ao próximo muito forte.

Nesse período todo, trabalhando madrugada a dentro, sem hora certa para chegar e sair de casa, Dona Zélia contou muito com sua mãe e irmã para cuidar dos filhos. A educação destes sempre foi a prioridade e, foi a educação que sempre estimulou nos filhos, que fez surgir o maior legado empreendedor de Dona Zélia, a ZAB. Na década de 1980, após seu filho Ronaldo retornar de São Paulo, formado em Engenharia Química, estimulou os filhos Ronaldo e Vladimir a montar uma pequena empresa de produção de produtos de limpeza. Enquanto Ronaldo cuidava da parte da produção da empresa, Dona Zélia foi a responsável por toda a parte administrativa da ZAB, onde permaneceu até o ano de 1997, quando se aposentou. Com 31 anos de história, hoje a ZAB é uma das maiores empresas do interior da Bahia, produzindo e comercializando produtos de limpeza em toda a Bahia e norte de Minas Gerais.

Histórias como a de Dona Zélia nos enchem de admiração e inspiração para sair da nossa zona de conforto e lutar pelos nossos sonhos e objetivos. Ser mulher não pode e não deve nunca ser um limitador, pelo contrário, deve ser sempre um combustível a mais para qualquer realização. Feliz dia da mulher!